???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.bdtd.ueg.br/handle/tede/694
Tipo do documento: Dissertação
Título: Gaiolas abertas: o feminino na contística de Augusta Faro
Título(s) alternativo(s): Open Cages: the feminine in the contistic of Augusta Faro
Autor: Ganzaroli, Hevellyn Cristine Rodrigues 
Primeiro orientador: Ignácio, Ewerton de Freitas
Primeiro membro da banca: Silva, Ademir Luiz da
Segundo membro da banca: Andrade, Emile Cardoso
Resumo: Este trabalho tem por finalidade discutir os modos pelos quais o feminino é representado no âmbito da literatura goiana, tendo por base a obra de Augusta Faro. Para tanto, fizemos um recorte em dois livros de contos da autora, quais sejam A friagem (2001) e Boca Benta de Paixão (2007). Estruturada em três capítulos, esta pesquisa buscou, por meio de um percurso diacrônico, mapear o que denominamos de marcas femininas na literatura brasileira e goiana, de modo a apontar, na historiografia literária brasileira (BOSI, 2015; CANDIDO, 2000), momentos em que obras de autoria feminina surgiram e foram ocupando espaços de fala e de representação artística (ALMEIDA, 1996; AIRES, 1996). Realizamos também uma síntese da fortuna crítica de Augusta Faro, com o objetivo de demonstrar que o retrato do feminino, no conjunto de sua obra, ainda não foi suficientemente explorado, tanto por parte da academia quanto pela crítica especializada. Recuperamos também o conceito de conto (PROPP, 2001) para, a partir desse resgate, procedermos à análise de quatro contos pinçados das duas obras supracitadas da criadora de Lua pelo corpo, as quais compõem o corpus deste trabalho. Buscamos evidenciar, por meio deste estudo, que o feminino é retratado, na obra de Augusta Faro, mediante recursos e imagens que dispõem a mulher em trânsito, indo da clausura e do cerceamento social e familiar para um estado de maior liberdade e assunção da própria voz. Trata-se de mulheres que, embora a passos lentos, reclamam, no plano narrativo, seu direito à libertação de amarras históricas e sociais, atreladas aos moldes do patriarcalismo (BEAUVOIR, 1967, 1970). Pretendemos, mediante o recorte temático deste trabalho, lançar novas luzes sobre a literatura goiana produzida e tematizada por mulheres.
Abstract: This work aims to discuss the ways in which the feminine is represented in the scope of Goiás literature, based on the work of Augusta Faro. For that, we cut out two books of short stories by the author, which are A friagem (2001) and Boca Benta de Paixão (2007). Structured in three chapters, this research sought, through a diachronic route, to map what we call female brands in Brazilian and Goiás literature, in order to point out, in Brazilian literary historiography (BOSI, 2015; CANDIDO, 2000), moments when works of female authorship appeared and were occupying spaces of speech and artistic representation (ALMEIDA, 1996; AIRES, 1996). We also carried out a synthesis of the critical fortune of Augusta Faro, in order to demonstrate that the portrait of the feminine, as a whole, has not yet been sufficiently explored, both by the academy and by the specialized critic. We have also recovered the concept of a short story (PROPP, 2001) so that, based on this rescue, we can proceed to the analysis of four short stories taken from the two aforementioned works of the creator of Lua by the body, which make up the corpus of this work. We seek to show, through this study, that the feminine is portrayed, in the work of Augusta Faro, through resources and images that have the woman in transit, going from the cloister and the social and family enclosure to a state of greater freedom and assumption of her own voice. These are women who, albeit at a slow pace, claim, on the narrative level, their right to liberation from historical and social ties, tied to the patterns of patriarchalism (BEAUVOIR, 1967, 1970). We intend, through the thematic section of this work, to shed new light on the Goiás literature produced and themed by women.
Palavras-chave: Literatura goiana
Literatura feminina
Augusta Faro
Contos
Literature from Goiás
Female literature
Augusta Faro
Tale
Área(s) do CNPq: LETRAS::LITERATURA BRASILEIRA
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Estadual de Goiás
Sigla da instituição: UEG
Departamento: UEG ::Coordenação de Mestrado Territórios Expressões Culturais do Cerrado
Programa: Programa de Pós-Graduação em Territórios e Expressões Culturais no Cerrado (PPG-TECCER)
Citação: GANZAROLI, HCR. Gaiolas abertas: o feminino na contística de Augusta Faro. 2021. 91 f. Dissertação( Mestrado em Territórios e Expressões Culturais no Cerrado ) - Unidade Universitária Anápolis de Ciências Socioeconômicas e Humanas, Universidade Estadual de Goiás, Anápolis,GO .
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://www.bdtd.ueg.br/handle/tede/694
Data de defesa: 19-Apr-2021
Appears in Collections:Mestrado Territórios Expressões Culturais do Cerrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
DISSERTAÇÃO_HEVELLYN_CRISTINE_RODRIGUES_GANZAROLI.pdfDissertação719,22 kBAdobe PDFDownload/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.