???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.bdtd.ueg.br/handle/tede/466
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.creatorAmaro, Camila Lariane-
dc.contributor.advisor1Matos, Fábio Santos-
dc.contributor.referee1Matos, Fábio Santos-
dc.contributor.referee2Teixeira, Gisele Carneiro da Silva-
dc.contributor.referee3Freitas, Josie Cloviane de Oliveira-
dc.date.accessioned2021-03-31T11:56:27Z-
dc.date.issued2018-02-23-
dc.identifier.citationAMARO, Camila Lariane. Tolerância de plantas de pinhão manso à salinidade em resposta a adubação silicatada. 2018. 29 f. Dissertação (Mestrado em Produção Vegetal) - Unidade Ipameri, Universidade Estadual de Goiás, Ipameri-GO.por
dc.identifier.urihttp://www.bdtd.ueg.br/handle/tede/466-
dc.description.resumoOs longos períodos de estiagem e a irregularidade de precipitações tornam a irrigação prática cada vez mais indispensável para assegurar a produção agrícola. Entretanto, as intensas atividades antrópicas têm comprometido os recursos hídricos fazendo com que a utilização de águas de qualidade inferior, em geral salinas, se torne realidade. A salinidade é um dos estresses abióticos que mais limita o crescimento e a produtividade de plantas. Sendo assim, a adubação silicatada apresenta-se como alternativa viável e benéfica às plantas sob estresses abióticos. O presente trabalho teve como objetivo avaliar o efeito da adubação silicatada no crescimento de plantas de pinhão manso sob estresse salino. O trabalho foi realizado sob bancada em casa de vegetação na Universidade Estadual de Goiás, Câmpus Ipameri. O experimento foi montado seguindo o delineamento inteiramente casualizado em arranjo fatorial 2x5 (plantas irrigadas com água salina de condutividades elétricas iguais a 0 dS m-1 ; 2 dS m-1 ; 4 dS m-1 ; 6 dS m-1 e 8 dS m-1 e ausência ou presença de adubação silicatada (1 g L-1 de Bugram Protect RSO 380), cinco repetições e uma unidade experimental. Os níveis de condutividade elétrica da água de irrigação foram obtidos com o uso de condutivímetro de bancada através da calibração da solução de cloreto de sódio (NaCl) aplicada na irrigação a partir dos 80 dias após a emergência (DAE). A quantidade de água aplicada nos vasos foi determinada seguindo recomendações de Padilha et al. (2016). As adubações silicatada foram realizadas aos 80 e 95 DAE e cada planta recebendo 30 mL da solução com auxílio de um borrifador manual. As avaliações foram realizadas aos 130 DAE com as respectivas análises: altura de planta, diâmetro do caule, número de folhas, área foliar, transpiração, teor relativo de água, pigmentos fotossintéticos, açúcar solúvel total, biomassa total, análises bioquímicas e nutricionais. Os dados foram avaliados pelo teste de Newman-Keuls e análise de regressão. A utilização de silício não minimizou os efeitos deletérios da salinidade em plantas de pinhão manso. O crescimento vegetativo das plantas de pinhão manso foi afetado significativamente pela salinidade da água de irrigação. O aumento das concentrações de Ca2+ reduziram a toxicidade iônica e promoveram incremento na atividade de enzimas antioxidantes em plantas de pinhão manso na tolerância ao estresse salinopor
dc.description.abstractThe long periods of drought and the irregularity of precipitation make practical irrigation more and more indispensable to ensure agricultural production. However, the intense anthropic activities have compromised the water resources, making the use of water of inferior quality, in general saline, become a reality. Salinity is one of the abiotic stresses that most limits plant growth and productivity. Thus, silicate fertilization is a viable and beneficial alternative to plants under abiotic stresses. The objective of this work was to evaluate the effect of silicate fertilization on the growth of jatropha plants under saline stress. The work was carried out under a greenhouse at the State University of Goiás, Ipameri Campus, Brazil. The experiment was set up in a completely randomized design in a 2x5 factorial arrangement (plants irrigated with saline water with electrical conductivities equal to 0 dS m-1 ; 2 dS m-1 ; 4 dS m-1 ; 6 dS m-1 and 8 dS m-1 and absence or presence of silicate fertilizer (1 g L-1 of Bugram Protect RSO 380), five replicates and one experimental unit. The electrical conductivity levels of the irrigation water were obtained with the use of a benchtop conductivity meter through the calibration of the chloride solution (NaCl) applied to the irrigation from 80 days after emergence (DAE). The amount of water applied to the vessels was determined following the recommendations of Padilha et al. (2016). Silica fertilizations were performed at 80 and 95 DAE and each plant received 30 mL of the solution with the aid of a manual sprayer. 130 DAE with the respective analyzes: plant height, stem diameter, number of leaves, leaf area, transpiration, relative water content, photosynthetic pigments, total soluble sugar, total biomass, biochemical and nutritional analyzes. The data were evaluated by the NewmanKeuls test and regression analysis. The use of silicon did not minimize the deleterious effects of salinity on jatropha plants. The vegetative growth of the jatropha plants was significantly affected by the salinity of the irrigation water. The increase in Ca2+ concentrations reduced ionic toxicity and promoted an increase in the activity of antioxidant enzymes in jatropha plants in tolerance to salt stresseng
dc.description.provenanceSubmitted by Biblioteca Ipameri (bib.ipameri@ueg.br) on 2021-03-31T10:58:36Z No. of bitstreams: 2 license.txt: 2109 bytes, checksum: b76a28645f58b21aeda00ac459312a65 (MD5) Camila_Lariane_Amaro_dissertao.pdf: 655045 bytes, checksum: be07da659bd2326dc6386bd2c30fdea4 (MD5)eng
dc.description.provenanceApproved for entry into archive by Biblioteca Ipameri (bib.ipameri@ueg.br) on 2021-03-31T11:56:27Z (GMT) No. of bitstreams: 2 license.txt: 2109 bytes, checksum: b76a28645f58b21aeda00ac459312a65 (MD5) Camila_Lariane_Amaro_dissertao.pdf: 655045 bytes, checksum: be07da659bd2326dc6386bd2c30fdea4 (MD5)eng
dc.description.provenanceMade available in DSpace on 2021-03-31T11:56:27Z (GMT). No. of bitstreams: 2 license.txt: 2109 bytes, checksum: b76a28645f58b21aeda00ac459312a65 (MD5) Camila_Lariane_Amaro_dissertao.pdf: 655045 bytes, checksum: be07da659bd2326dc6386bd2c30fdea4 (MD5) Previous issue date: 2018-02-23eng
dc.description.sponsorshipFundação de Apoio à pesquisa do Estado de Goiás - FAPEGpor
dc.formatapplication/pdf*
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade Estadual de Goiáspor
dc.publisher.departmentUEG ::Coordenação de Mestrado em Produção Vegetalpor
dc.publisher.countryBrasilpor
dc.publisher.initialsUEGpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação Stricto sensu em Produção Vegetal (PPGPV)por
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.subjectBiodieselpor
dc.subjectEstresse abióticopor
dc.subjectEnzimas antioxidantespor
dc.subjectJatropha curcas L.por
dc.subjectSilíciopor
dc.subjectBiofueleng
dc.subjectAbiotic stresseng
dc.subjectAntioxidant enzymeseng
dc.subjectJatropha curcas L.eng
dc.subjectSiliconeng
dc.subject.cnpqCIENCIAS AGRARIASpor
dc.titleTolerância de plantas de pinhão manso à salinidade em resposta a adubação silicatadapor
dc.typeDissertaçãopor
Appears in Collections:Mestrado em Produção Vegetal

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Camila_Lariane_Amaro_dissertao.pdf639,69 kBAdobe PDFDownload/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.